Provedoria da Santa Casa fala sobre mudanças no atendimento do Pronto Socorro e das dificuldades financeiras

Iniciando seu segundo mandato como provedor, Sidnei Pizza fala do
sistema de ‘pulseirinhas’ implantado no Pronto Socorro Municipal, e do
pedido de ajuda ao Prefeito Becão para que a entidade supere o grave
momento de crise financeira no qual atravessa.

17santacasa

No último mês de maio, o empresário descalvadense Sidnei Pizza iniciou o seu segundo mandato como Provedor da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Descalvado, devendo continuar à frente da administração do único hospital do município pelos próximos dois anos. No dia 7 de julho, o empresário completará um ano e meio à frente da entidade que há 121 anos vem cuidando com muito amor e dedicação da saúde dos descalvadenses.

Sidnei assumiu a provedoria após um período extremamente conturbado, já que durante o segundo semestre de 2014, a Santa Casa passou por uma intervenção por parte do poder público e, em janeiro de 2015, uma nova provedoria acabou assumindo a administração da entidade. Mesmo com o fim da intervenção, a Santa Casa permaneceu envolta a polêmicas e disputas políticas, e que em nada ajudou a tirá-la da situação caótica da qual se encontrava. Assim, após a renúncia do então provedor, Sidnei foi eleito em janeiro do ano passado como novo administrador da entidade, cargo para o qual acaba de ser reeleito.

Desde que assumiu, foram inúmeros os desafios a serem vencidos, mas apesar disso, a nova provedoria vem conseguindo implantar um sistema de gestão pautado exclusivamente na ética, na responsabilidade e na transparência quanto a utilização dos recursos recebidos pela entidade. Uma atitude ímpar na história da Santa Casa de Descalvado.

Por conta da confiança depositada pela comunidade descalvadense em toda a equipe que hoje administra o nosso hospital, a situação administrativa atual é completamente inversa daquela que era vista até pouco tempo atrás. Com seriedade e transparência, a gestão do provedor Sidnei Pizza – com o apoio incondicional da Mesa Administrativa, presidida pelo empresário José Emílio Belli – restaurou a credibilidade da Santa Casa de Misericórdia de Descalvado.

TRANSPARÊNCIA – Talvez a maior mudança implementada pela atual provedoria seja a transparência na utilização dos recursos empregados no funcionamento do único hospital da cidade.

Basicamente, a entidade filantrópica sobrevive de recursos provenientes da Prefeitura Municipal, do Sistema Único de Saúde (SUS), de operadoras de planos de saúde e de alguns serviços prestados a particulares (como internações, por exemplo).

Ao assumir a administração da Santa Casa, a atual provedoria determinou que todos os recebimentos e pagamentos fossem detalhados em planilhas mais específicas, deixando todos os números e valores com a devida transparência do qual mereciam. Também foi criado um site (www.santacasadedescalvado.com.br) onde qualquer cidadão pode ter acesso aos balancetes e relatórios fiscais.

Quanto ao caixa da Santa Casa, os números dão a exata dimensão do problema que está sendo vivenciado. Durante todo o ano de 2016, a Prefeitura Municipal de Descalvado repassou um total de R$ 5.028.294,48, que somados a outros R$ 1.112.703,65 recebidos das operadoras de planos de saúde e de particulares, foram utilizados para o pagamento de funcionários, de médicos, na aquisição de medicamentos e materiais hospitalares, além dos gastos com manutenção. As despesas neste período somaram R$ 6.779.431,24, ou seja, houve um déficit no caixa de R$ 638.413,11. Somados aos gastos com dissídios, dívidas e acordos trabalhistas ao longo de 2016 (mais R$ 2.802.035,07), o ‘rombo’ no caixa atingiu o montante de R$ 3.440.448,18.

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 

17santacasa2

Desde o mês de maio, o Pronto Socorro Municipal passou acolher os pacientes que procuram pelo serviço de pronto atendimento por meio do sistema de ‘Classificação de Risco’, método recomendado pelo SUS e utilizado também por diversas instituições privadas.

A ‘Classificação de Risco’ é uma ferramenta utilizada nos serviços de urgência e emergência, que visa avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Ou seja, trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, realizada por um profissional devidamente capacitado, do ponto de vista técnico e científico.

Como todos sabem antes da mudança o atendimento dos pacientes no Pronto Socorro acontecia por ordem de chegada, ou então era realizada uma seleção/triagem por um profissional de enfermagem que, baseado em sua experiência profissional, poderia priorizar algum atendimento. Com a mudança, o termo “Triagem” foi substituído por “Classificação de Risco”, que deve ser realizada por meio de protocolos para tornar o trabalho mais sistemático, aumentando a agilidade e a segurança nos serviços de urgência e reduzindo mortes evitáveis, além de fornecer um respaldo legal aos profissionais.

Estamos cientes (e também já prevíamos) das reclamações que estão sendo feitas pelos usuários do Pronto Socorro Municipal durante este período de implantação do novo sistema de acolhimento. Os problemas detectados nesta fase de transição já estão sendo corrigidos e muito em breve os pacientes notarão as melhoras na prestação do serviço. Além disso, a “Classificação de Risco” também deverá auxiliar para melhorar a prestação do serviço e do atendimento em toda a rede municipal, visto que haverá um maior controle sobre as demandas e as necessidades dos pacientes, podendo proporcionar um atendimento com muito mais qualidade no seu próprio bairro.

PEDIDO DE AJUDA AO PREFEITO – Como não poderia ser diferente, a Santa Casa de Descalvado passa (assim como a maioria das Santas Casas do país) por uma grave crise financeira. A situação do nosso hospital, quando comparada às demais entidades da nossa região, é ainda pior, visto que existe um bloqueio de 40% de tudo que é repassado pelo SUS por conta de dividas e acordos antigos, assim como por dívidas herdadas com fornecedores durante os anos que antecederam a atual administração. Apesar dos esforços da nova provedoria – que incluiu reduções no seu quadro de funcionários e a readequação de alguns serviços, resultando em uma economia significativa de recursos – a situação do déficit de caixa ainda está longe de ser equacionada.

Mês a mês, os recursos recebidos não são suficientes para saldar os compromissos assumidos, inclusive quanto a recomposição salarial dos nossos colaboradores, que mesmo sem ver garantido aquilo que lhes são de direito – continuam trabalhando com muito carinho e dedicação, todos os dias. São pessoas dignas de aplausos e de reconhecimento por parte de toda a nossa comunidade!

Porém, um fato recente trouxe à tona uma informação no mínimo equivocada. Diferentemente do que foi publicado na imprensa local no último final de semana, nunca foi intenção dos membros da atual provedoria ‘entregar as chaves’ da entidade ao Prefeito Municipal, mesmo diante de todas as dificuldades que estamos enfrentando, e reafirmamos o nosso compromisso de cuidar da entidade e de conduzi-la de forma digna e responsável, diferentemente do que já foi visto em outras épocas.

Assim como nós, toda a população descalvadense sabe que um dos compromissos do Prefeito Becão é com a saúde da nossa cidade, e acreditamos sim que ele continuará colaborando para que a Santa Casa de Descalvado se mantenha em funcionamento. Não é possível imaginarmos que o Prefeito Municipal fecharia os olhos da administração púbica, deixando de ajudar uma entidade filantrópica cujo único propósito é o de cuidar da saúde e do bem estar da população da nossa cidade.

Não queremos que a nossa Santa Casa seja mais uma vez envolvida em uma guerra política, ou que fique em meio a interesses pessoais. Não estamos aqui para isso! E temos a certeza de que o Prefeito Becão também não, por isso todos nós (incluindo a população) acreditamos que a Prefeitura virá em nosso auxílio.

Também foi descrito no semanário do último dia 10 junho, que ocorreu uma reunião no Ministério Público onde, Santa Casa e Prefeitura discutiram os problemas financeiros do qual a entidade vem enfrentando. No entanto, faz-se necessário corrigir (ou desmentir) as informações de que “a provedoria da Santa Casa teria tentado intimidar o prefeito diante da Promotora de Justiça, para que a Prefeitura aumentasse o repasse mensal à entidade”, assim como são inverídicas as informações de que a Promotora teria concordado que o poder público não aumentasse o repasse feito para a entidade, tampouco que a provedoria teria recebido um prazo para apresentar resultados e melhoras na situação financeira da entidade. O que de fato ocorreu foi uma explanação das atuais dificuldades financeiros, e a apresentação de um plano de ação por parte da administração da Santa Casa, cujo principal objetivo é o de equacionar o caixa da entidade por meio da ampliação de serviços e da melhoria na qualidade dos serviços já prestados, com o intuito de aumentar a arrecadação a médio prazo. Apesar de não se chegar a nenhum acordo, por sugestão da própria Promotora, ficou acertado que uma nova proposta seja elaborada, para então ser apresentada em uma segunda reunião a ser agendada.

“A situação é crítica e se não recebermos ajuda, muitos serviços poderão ser reduzidos em um curtíssimo prazo”, afirmou Sidnei Pizza, que espera contar com o apoio do Prefeito Becão para dar sustentação ao trabalho desta provedoria, bem como aos serviços oferecidos pelo único hospital da nossa cidade.

*Da Assessoria de Imprensa da Santa Casa de Misericórdia de Descalvado

Posted on: 13 de julho de 2017